quarta-feira, 7 de novembro de 2012

O filme novo do Tim Burton, Frankenweenie, é demais

Ironicamente, foi no dia dos mortos (também conhecido como feriado de finados) que lançaram o filme novo do Tim Burton aqui no Brasil. Frankenweenie é um filme de terror para crianças. É fofinho, é uma animação, mas tem momentos sinistros e sustinhos de leve. Genial! Recomendo para todos. Só não inventem de levar crianças muito pequenas, porque elas vão chorar.

Olha o trailer:


A começar, o filme é 3D e é da Disney e tudo mais, mas destoa dos outros longas infantis por ser, de cara, todo em preto e branco. Todas as criancinhas que dividiam a sala de cinema comigo na última sexta-feira estranharam e comentaram com os pais. A começar pela clássica vinheta do castelinho Disney logo na abertura, que de repente vira um castelo mal assombrado com uma bela tempestade de raios e trovões, deixando tudo cinza. Ha, ha! Depois, os personagens são esquisitíssimos, dignos de Família Addams, feinhos de dar dó. Mas muito fofinhos ao mesmo tempo. Destaque para a menina maluca de olhos esbugalhados que sempre anda com o seu gato esquisito e para o corcunda banguelinha Edgar (e o melhor diálogo do filme inteiro, o do "eu sei" - ou "YOUR DOG IS ALIVE!" - que infelizmente só encontrei em inglês sem legendas, mas que ainda assim vale muito a pena assistir):

 

O que eu mais adorei desse filme é que tem piadinhas adultas e inteligentes e um monte de referências a clássicos do cinema de terror e a uma das melhores bandas de rock de todos os tempos, os Ramones. Explico: o protagonista de Frankenweenie se chama VICTOR. Assim como o protagonista do hino "Pet Sematary", dos Ramones. E, no filme, o menino entra em um cemitério de animais de estimação (Pet Cemetery) para desenterrar seu cãozinho, Sparky, que tinha morrido atropelado. A trama se desenvolve com o pequeno Victor, que é o nerd esquisitão da classe e ama ciências, tentando ressucitar o animalzinho de estimação com invenções malucas. O cachorro acaba vivo e todo costuradinho, com parafusos em cima das orelhas. A propósito, o sobrenome do garoto Victor no filme é FRANKENSTEIN. Sacaram?



A bagunça toda começa quando os colegas de Victor descobrem o cãozinho ressucitado e também tentam fazer com que seus animaizinhos de estimação mortos voltem à vida. Outras referências de cultura pop que aparecem durante o longa são a múmia, o drácula, "sea monkeys" e até o Godzilla. Frankenweenie foi feito usando técnicas trabalhosas de animação em stop motion, com bonecos que ganham movimentos depois de serem filmados quadro a quadro. O resultado é muito bonito e diferente. Fora isso, o enredo trata com muita delicadeza temas difíceis de serem discutidos com crianças, como perda, morte, aceitação social, popularidade na escola, obediência aos pais, regras, competição, ciências e até religião - tudo de forma inteligente e crítica, mas sem soar forçado ou chato. E apesar de ser uma trama clichê e emotiva que apela para bichinhos de estimação fofos, não parece brega e tem o poder de cativar e arrancar lágrimas até de marmanjo.

Curiosidades:

1) Tim Burton trabalhou na Disney no começo dos anos 80 e foi demitido justamente por apresentar um projeto de curta metragem que era o protótipo de "Frankenweenie". O estúdio detestou a proposta, que considerou mórbida demais. Ironicamente, a própria Disney é quem leva o filme aos cinemas hoje, mais de 20 anos depois de ter rejeitado seu projeto original.

2) "Weenie" tem muitos significados em inglês, sendo que dois deles são salsicha e cãozinho. "Frankenweenie", portanto, seria em uma tradução livre algo como "Cãozinho Frankenstein".

Nenhum comentário:

Postar um comentário