sexta-feira, 30 de março de 2012

O fim do mundo começou em 1982


Você já tá careca de saber que em 2012 o mundo vai acabar, certo? Ironicamente, há exatamente 30 anos, um festival punk realizado em São Paulo decretou "o começo do fim do mundo". É tanta coincidência que virou piada pronta. O festival se chamava, justamente, "O Começo do Fim do Mundo"; e aconteceu nos dias 27 e 28 de novembro no SESC Pompeia, que então era um local recém inaugurado. Foi uma coisa muito inusitada: naquela época, o movimento punk paulista assustava, era diferente dos movimentos dos EUA e da Inglaterra e dividido em muitas gangues, que estupidamente se agrediam (rolava porrada pra caramba). Mesmo assim, o que esses jovens fizeram no começo dos anos 80 marcou a história do Brasil e certamente influenciou sua geração, que logo depois conquistou eleições diretas, entre muitos outros avanços. Pensa que era fácil ser punk sem internet, no meio de um regime totalitário, com a Guerra Fria rolando no mundo, ralando MUITO pra conseguir ouvir uma fitinha cassete das bandas que curtia, apanhando na rua ao levar enquadro da polícia só por usar cabelo moicano? Imagina isso! E eles conseguiram. Ter espaço para um festival de dois dias no SESC foi um passo muito grande.

Dá uma olhada nesse vídeo, pra ter ideia de como foi:



Eu também recomendo o documentário Botinada. Bem legal!


O festival de 82 reuniu 10 bandas da capital e mais 10 do ABC, como uma forma de combater a grande rixa que existia entre esses dois grupos de punks (e parar com as brigas e a violência). Cólera, Fogo Cruzado, Olho Seco, Lixomania, Inocentes, Ratos de Porão e Psykóze foram algumas das bandas que tocaram no evento.


Agora, quase 30 anos depois, o SESC quis recriar o festival em homenagem à primeira edição; e organizou shows especiais na choperia, reunindo algumas das bandas que participaram da edição de 82 e ainda estão na ativa, mais alguns outros grupos que, por mais que não tenham participado do evento original, marcaram a história do movimento e da música punks no Brasil. O festival atual contou com curadoria do Clemente (membro original do Inocentes) e assessoria de Antônio Bivar, autor do clássico livrinho "O que é punk?", também lançado em 82 (se você nunca leu, corre procurar no sebo!).

A segunda edição do festival foi batizada de "O Fim do Mundo, Enfim" e acontece na Choperia, com ingressos pagos (ainda que bem baratos) e a participação de 15 bandas. Começou ontem com um debate e shows dos Inocentes, Devotos e Os Excluídos. Continua hoje com os Garotos Podres (muito amor, tomara que toquem o clássico "Papai Noel Filho da Puta"), Ataque 77 (banda argentina que é convidada especial) e Flicts; e no sábado, com Ratos de Porão, Invasores de Cérebro e Questions.

A má notícia: todos os ingressos desses shows evaporaram rapidinho logo no começo de março, quando o SESC abriu a venda de ingressos. A esperança era ver o show de domingo, gratuito (os ingressos seriam retirados de acordo com quem fosse chegando primeiro na fila, uma hora antes do evento), com as bandas Cólera (sem o Redson, o roadie da banda, Wendel - que tem só uns 20 anos - assumiu a guitarra e os vocais), Olho Seco, Agrotóxico, Restos de Nada, Condutores de Cadáver e Lixomania. Acontece que esse dia foi cancelado pela produção do SESC, que se assustou com a enorme procura e temia que o público fosse grande demais, gerando confusão. Em nota oficial, o SESC Pompeia informou que o deck onde o show ia acontecer (mesmo espaço onde o festival de 82 foi realizado) só comporta 1.200 pessoas e que, por isso, os shows precisaram ser reagendados para um lugar maior. Mas ainda não sabem onde nem quando vai acontecer isso. É, minha gente, parece que o punk definitivamente ainda não morreu.

Nenhum comentário:

Postar um comentário