quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

Batom Vermelho

Mais uma coincidência engraçada: as cantoras paulistanas Céu e Mallu Magalhães lançaram há pouco seus clipes novos e, nas duas canções, elas cantam sobre o...batom vermelho.
Acho que é tendência.

CÉU - RETROVISOR



"Pois não pense que isso vai ficar assim. Meu batom vermelho vai me enfeitar."

A musa Céu volta mais sexy e maquiada do que nunca, com um vestido justinho de paetês meio azul/meio verde, que lembra a cauda de uma sereia; e ainda de um ombro só, deixando à mostra e em evidência a tatuagem no ombro esquerdo: uma rosa vermelha, em homenagem à filha (que foi batizada de "Rosa Morena").


As imagens do clipe são de um ensaio feito na Ilha de Itamaracá, em Pernambuco. Foi daí também que veio a foto da capa do disco novo dela, o "Caravana Sereia Bloom", que deve ser lançado oficialmente na próxima terça-feira, mas que também já vazou por essas bandas. O álbum foi produzido pela própria Céu e pelo seu marido, Gui Amabis, tem uma regravação de Nelson cavaquinho (para a música "Palhaço") e participações de Curumin, Jorge Du Peixe, Dengue, Pupillo, Fernando Catatau e mais uma cambada de gente.

Olha o track list:
1) Falta de Ar
2) Amor de Antigos
3) Asfalto e Sal
4) Retrovisor
5) Teju na Estrada
6) Contravento
7) Palhaço
8) You won't regret it
9) Sereia
10) Baile de Ilusão
11) Fffree
12) Streets Bloom
13) Chega em Mim


A música do clipe, "Retrovisor", carrega um certo clima anos 60 e 70, meio psicodélica, mais sujinha, com baixo e teclado em evidência. A Céu tá soando mais Arnaldo Baptista e menos Bob Marley. Mas as características do som dela ainda estão ali, a sonoridade multicultural e os grooves jamaicanos permanecem, principalmente na "You won't regret it". E a letra de "Retrovisor" é devastadora: "Não sei bem se fui eu que me enganei ou foi você que me iludiu". A faixa que abre o disco, "Falta de Ar", é total Mutantes e Jovem Guarda. A curtinha "Teju na Estrada" é a que mais lembra os sons do "Vagarosa", com sopros, batuques, backing vocal que parece um ritual indígena no meio do Xingu e um ritmo mais lento e bem cadenciado. "Baile da Ilusão" pode ser nosso mais novo hit de Carnaval e tem uma pegada de Orquestra Imperial.

E, ah, não estranhe as músicas em inglês. Além de não ser nada errado uma cantora brasileira compor e cantar em outros idiomas, a Céu morou em Nova Iorque e, aliás, foi lá que iniciou sua carreira como cantora. Ela também já tinha lançado a música "Papa" em inglês no seu último disco, o "Vagarosa".


 MALLU MAGALHÃES - VELHA E LOUCA



"Nem vem tirar meu riso frouxo com algum conselho, que hoje eu passei batom vermelho."

Quando a Mallu estava terminando de gravar o seu terceiro disco, Pitanga, ela postou uma letra em seu blog que me conquistou de cara. Agora, sei que a música é "Velha e Louca" e, felizmente, entrou no disco, além de ter se tornado o primeiro single e clipe do álbum. Também, pudera...é a melhor música do disco inteiro!
A letra traz uma segurança, uma paz interior e uma felicidade imensas. É um tipo de autoafirmação, sim, mas não é arrogante. Uma música de autoestima, sobre estar bem consigo mesma, confortável em sua própria pele. Quem não quer se sentir assim?

E, repetindo os mil clichês que escreveram sobre o clipe, sim, a Mallu cresceu e apareceu, está ainda mais bonita e muito mais madura. Só me irrita o sotaque carioca super puxado que permeia todas as músicas do disco novo. Soa forçado. Mas, como ela namora um carioca e mora entre o Rio e São Paulo, é até justificável. O clipe é LINDO, foi filmado em prédios de São Paulo e tem uma aura forte de anos 60, cores lavadas de sol, a Mallu com um visual Amy Winehouse (cês não repararam no topete atrás da franja e no olho de gatinho com delineador bem grosso?) - apesar de ela estar mais pra Audrey Hepburn, né não? - e roupas modernas. Ela dança muito, sorri, faz várias caras e bocas, poses e olhares. Parece muito mais leve e descontraída do que antes. Eu espero coisas grandiosas dela, acho que a Mallu evolui claramente a cada trabalho e que está cada vez melhor. Apesar de todo o hype que sempre girou em torno dela, Mallu vem mostrando que não é uma efemeridade, modinha ou derivados; que realmente é apaixonada pelo que faz e que tem sim muito talento.

Uma coisa legal que ela fez foi ter lançado o clipe em salas de cinema antes de colocar na internet e na televisão. Deve ter sido bem bacana mesmo ver o vídeo na telona. Uma coisa muito triste é que o diretor do clipe, um cara super talentoso chamado Paulo Gandra, faleceu logo depois de ter lançado o melhor videoclipe da carreira da Mallu. Ele tinha só 28 anos e foi vítima de um infarto.

Nenhum comentário:

Postar um comentário