segunda-feira, 11 de julho de 2011

Besta é tu, besta é tu!

Nesse mês de julho acontece uma importante estréia nos cinemas.
Mas que mané último filme do Harry Potter, que nada!  Bem, apesar de eu adorar os livros e os filmes de Hogwarts e derivados, não tem como não dar destaque para um documentário de produção brasileira. Por que é um filme sobre OS NOVOS BAIANOS, cara! 

Simplesmente a banda que fez, na minha opinião, o melhor disco de música brasileira de todos os tempos: Acabou Chorare. Impecável do começo ao fim. De se deixar rolando, ouvir na íntegra e na ordem todas as faixas, abrir um sorrisão com as melhores ondas sonoras e boas vibes que seus ouvidos poderiam querer, do primeiro ao último segundo. E, quando acabar, começar tudo de novo, sem enjoar, querendo repetir cada música. Uma proeza alcançada por pouquíssimos artistas, essa arte de fazer álbuns 100% geniais.




Pense em férias de verão, uma praia linda, rede, sossego, um sentimento de alegria e paz interior tão intenso e tranquilo. Pra mim sempre foi isso que as músicas deste disco passaram. Solo de guitarra à la Hendrix sendo feito em violão de naylon (!) e cavaquinho, as guitarras de verdade solando freneticamente um rock'n'roll emoldurado por muito pandeiro e batuques do samba. Letras engraçadas, simples, mas ao mesmo tempo tão reflexivas, tão sinceras, quase uma crônica. É lindo demais:





Isso sem contar as curiosíssimas histórias e trajetórias da banda, que viveu em comunidade hippie isolada num sítio, fazendo música com os filhos no colo. Que sofreu com repressões da ditadura, quis ser time de futebol e achava que não tocava bem o suficiente. Um bando de malucos. Um bando de gênios. Tutti buona gente!

O filme se chama "Filhos de João - O Admirável Mundo Novo Baiano", e é o primeiro longa do cineasta baiano (claro, né, tinha que fazer jus) Henrique Dantas, que também é artista plástico. Retrata principalmente a época em que a banda, ao conviver com João Gilberto, estourou e fez história - do finalzinho dos anos 60 à primeira metade dos anos 70. Daí o nome "filhos de João". O documentário conta com a participação de figuraças como o Tom Zé e de alguns integrantes dos  Novos Baianos, como Moraes Moreira e Pepeu Gomes. "É uma reflexão audiovisual sobre o que aconteceu com a cabeça da juventude brasileira logo após os impactos culturais dos anos 1960, que culminaram com o movimento hippie. Flagra um momento em que o sonho teimava em não acabar e convivia com a brutalidade de uma ditadura e a alternativa da guerrilha”, opinou o cineasta Orlando Senna, também baiano, que trabalhou com Glauber Rocha nos anos 60 e já foi secretário do MINC.






Dantas levou 11 anos registrando as imagens e entrevistas para compor o filme, que surgiu como um projeto de homenagem aos 30 anos dos Novos Baianos. Hoje, a banda já passou dos 40. O documentário estreia dia 22/07 no circuito comercial de cinemas em várias cidades do país. Em São Paulo, será exibido na Reserva Cultural, cinema que fica no mesmo prédio da minha querida Cásper Líbero, lá na Avenida Paulista.

Para saber mais, acesse o site do filme: http://www.filhosdejoao.com.br


Vai se inspirando aí enquanto o filme não chega...

Nenhum comentário:

Postar um comentário