domingo, 5 de dezembro de 2010

Jantar clandestino e café pendente

Imagine a cena: você sai para jantar em uma casa, cujo dono desconhece. Você esperou mais de dois meses para conseguir uma reserva e fazer sua refeição ali, em uma residência comum, que se anuncia como “restaurante” na internet e no boca a boca, sempre a melhor forma de divulgar qualquer coisa, mesmo que a humanidade esteja entrando na segunda década do século XXI.
Depois de jantar e pagar pela comida e pelo serviço no “restaurante clandestino”, você sai pra tomar um cafezinho. No café, já tem uma bebida paga para você, por um desconhecido, que você pode aceitar tomar totalmente “de grátis” ou não, caso queira escolher outra coisa no cardápio. Quando você sai, a garçonete te sugere deixar pago um café “para o próximo”, repetindo o gesto tão altruísta que fizeram por você, ao oferecer uma bebida grátis – na verdade, bancada por algum outro cliente.
Completamente doido, não é? Mas também é muito, muito legal! Uma forma de integrar pessoas desconhecidas e fazer as coisas de todo dia de um jeito diferente e inusitado. E conforme-se, meu caro. Isso tudo aí em cima já existe e é praticado na Europa, sendo que o número de restaurantes clandestinos cresce cada vez mais, tanto que chegou a virar matéria no jornal da Record (!); e que a prática tão gentil de deixar pago o “café do próximo” já chegou ao Rio de Janeiro (!!!). Eu, amélia que sou (acredite se quiser), tô pensando seriamente em fazer um jantarzinho aqui em casa...você viria?

2 comentários:

  1. Eu iriaa super!!!!

    ResponderExcluir
  2. Eu já fui,né? Laricas do Leitão contam tb,pô!:D HAhahahah

    ResponderExcluir